O Café Politik surgiu do acirramento político ocorrido no Brasil em meados dos anos 10 do século XXI.

A eterna sina do país do futuro, que dá um passo pra frente, dois pro lado e um pra trás, nos motivou a criar um espaço para discussões políticas e econômicas sem o viés editorial imposto pelas grandes publicações.

Nossos redatores possuem backgrounds ideológicos distintos e estão totalmente livres para expor suas idéias, experiências e projeções astrais para o futuro da nação e do mundo.

Não temos a pretensão de convencer o leitor, mas de enriquecer o debate. 

Seja bem vindo e, como tudo na vida, aprecie com moderação!

Ela vai brilhar

Ainda em fase de montagem de sua equipe, na última quarta-feira, dia 1º, o Presidente em exercício, Michel Temer, deu posse aos novos presidentes de 5 empresas estatais: No Banco do Brasil, assume Paulo Rogério Caffarelli; na Caixa Econômica Federal, entra Gilberto Occhi; no Ipea, Ernesto Lozardo; na Petrobras, Pedro Parente é o novo Presidente; e no BNDES, assume Maria Silvia Bastos Marques. Com essas nomeações, a nova equipe de Temer está praticamente definida, faltando apenas a confirmação, através de uma sabatina no Senado Federal, de Ilan Goldfajn no Banco Central, e o nome do substituto de Romero Jucá, exonerado após a revelação do grampo do ex-Presidente da Transpetro, Sérgio Machado, no Ministério da Previdência.

Dos novos nomes, os que chamam mais a atenção, são Pedro Parente e Maria Silvia Bastos Marques. Eles podem ser considerados ao lado do futuro Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, os principais nomes da equipe de Temer. São nomeações estritamente técnicas, de pessoas extremamente capacitadas, e que mesmo diante do enorme desafio que tem pela frente, são capazes de alcançar os objetivos traçados pelo Presidente em exercício. De quebra, ainda são nomes que agradam ao mercado, algo fundamental em um momento que o Brasil necessita resgatar a credibilidade e voltar a atrair investimentos.

Falando especificamente de Maria Silvia, ela tem tudo para se destacar e ser a estrela desse governo. Quando Michel Temer, foi criticado por não ter nomeado mulheres em sua composição ministerial, ele não poderia ter dado resposta melhor. Indicar Maria Silvia foi um tiro certeiro, especialmente porque sua indicação não se deu pelo fato de ser mulher, e sim por sua capacidade profissional.

Diretora do próprio BNDES; secretária municipal de Fazenda do Rio de Janeiro, responsável por deixar um caixa de US$ 1 bilhão nos cofres do município; primeira mulher a ocupar a Presidência da Companhia Siderúrgica Nacional; ex-Presidente da Icatu Hartford, gigante no setor de seguros de vida, previdência e capitalização; e ex-Presidente da Empresa Olímpica Municipal, órgão criado pela prefeitura do Rio para coordenar a execução dos projetos relacionados à Copa do Mundo de 2014 e os Jogos de 2016. Maria Sílvia tem um currículo invejável e já chegou até a figurar na lista de executivas mais poderosas do mundo, elaborada pela revista Fortune. Não é para qualquer um...

Apesar de todas as dificuldades e das concessões políticas que Temer tem tido que fazer, é absolutamente crível que ele tem capacidade de ao menos levar o país para o prumo certo, após o desastre que foi o governo Dilma. E não há duvidas, que Maria Silvia Bastos Marques, no BNDES, terá um papel fundamental na retomada do crescimento econômico. Ela tem capacidade de sobra para esse desafio. E podem ter certeza, ela vai brilhar...

Bolsa Família e a proposta de renda mínima na Suíça: É possível traçar algum paralelo?

A lição da cultura do empreendedorismo dos EUA