O Café Politik surgiu do acirramento político ocorrido no Brasil em meados dos anos 10 do século XXI.

A eterna sina do país do futuro, que dá um passo pra frente, dois pro lado e um pra trás, nos motivou a criar um espaço para discussões políticas e econômicas sem o viés editorial imposto pelas grandes publicações.

Nossos redatores possuem backgrounds ideológicos distintos e estão totalmente livres para expor suas idéias, experiências e projeções astrais para o futuro da nação e do mundo.

Não temos a pretensão de convencer o leitor, mas de enriquecer o debate. 

Seja bem vindo e, como tudo na vida, aprecie com moderação!

Terrorismo

Sobre a questão do terrorismo islâmico, penso que não há saída simples pra esse problema.

Na Europa, os governos e a sociedade organizada devem agir da forma mais efetiva possível para integrar os jovens muçulmanos, que evidentemente também devem querer se integrar. Alguns países, principalmente a França, cometeram erros graves na política interna com relação à comunidade muçulmana no século XX, erros estes que levaram a um contigente gigantesco de jovens desesperançosos que acabam cooptados por salafitas e islamitas com uma visão deturpada e literal da religião.

Também temos este problema no Brasil, mas ao invés de atentados esporádicos, temos uma verdadeira guerra interna que mata mais de 50 mil por ano.

Por outro lado e voltando ao tema, é necessário que muçulmanos moderados e governos de países árabes condenem de forma aberta e veemente este tipo de acontecimento. Infelizmente, a crítica ao terrorismo como forma de impor a palavra de Alá não é tão comum como deveria nos recintos islâmicos, algo que se explica em parte pela presença no Corão de passagens extremamente perturbadoras e que infelizmente são seguidas ao pé da letra por loucos como os que cometeram os atentados de hoje.

O mundo muçulmano necessita urgentemente de uma "reformação" que apresente e dissemine uma leitura atualizada do Corão, algo que já foi feito pela Cristandade há séculos. O problema é que, ao contrário de uma liberalização, os maiores países muçulmanos estão cada vez mais conservadores, belicosos e repressivos. Cito como exemplo Turquia, Indonésia e Arabia Saudita.

No mais, é evidente que certas táticas militares adotadas por países ocidentais contribuem para esse tipo de problema. Quando um drone visando matar um único indivíduo acaba por explodir um quarteirão, não restam dúvidas de que dentre os sobreviventes estarão dezenas de potenciais terroristas.

Vivemos em tempos complicados e a sensação é de que não há mais lugar seguro nesse mundo...

PMDB

Lula e os Presidentes do Brasil