O Café Politik surgiu do acirramento político ocorrido no Brasil em meados dos anos 10 do século XXI.

A eterna sina do país do futuro, que dá um passo pra frente, dois pro lado e um pra trás, nos motivou a criar um espaço para discussões políticas e econômicas sem o viés editorial imposto pelas grandes publicações.

Nossos redatores possuem backgrounds ideológicos distintos e estão totalmente livres para expor suas idéias, experiências e projeções astrais para o futuro da nação e do mundo.

Não temos a pretensão de convencer o leitor, mas de enriquecer o debate. 

Seja bem vindo e, como tudo na vida, aprecie com moderação!

O verdadeiro golpe

Jorge William / Agência O Globo

Jorge William / Agência O Globo

Vergonhoso, escandaloso, indecente, imoral, indecoroso... Escolha seus adjetivos, porque a política brasileira nos ensina que o uso de tais termos nunca é suficiente para expressar a repulsa que nossos representantes provocam, quase que diariamente, no cidadão de bem. Quando achávamos que já tínhamos atingido o fundo do poço, a classe política de nosso país dá mostras que para eles não há limites quando se trata da utilização da política em causa própria.

A proposta que anistia a pratica do caixa 2 em eleições passadas é uma das maiores aberrações que se tem notícia, um verdadeiro tapa na cara da sociedade brasileira. Em nome de supostamente tipificar o crime, que na verdade já é previsto na legislação eleitoral, o Congresso Nacional pretende enterrar a Lava Jato, e assim salvar a própria pele da maioria esmagadora da classe política brasileira. Para se ter uma idéia, o projeto que vem sendo conduzido pelo Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, conta com o apoio dos líderes de praticamente todos os partidos da casa.

O interesse do Congresso na aprovação da lei é tão grande, que na última semana, os deputados chegaram a aprovar regime de urgência para votar a matéria, e não fosse a repercussão extremamente negativa junto a opinião pública, a questão já teria sido resolvida na última quarta-feira. Tudo graças a apreensão que o acordo de leniência da Odebrecht, ainda em negociação, tem causado nos bastidores políticos. Quem teve contato com o material, garante que as revelações são devastadoras, e não sobrará pedra sobre pedra. Quer dizer, isso se o projeto de anistia não virar lei.

Se a proposta for aprovada, as revelações feitas pela empreiteira perderão importância e serão engavetadas. Todo o crime de caixa 2 cometido até hoje prescreverá e ninguém será punido. Dessa forma a Operação Lava Jato, responsável por revelar o maior esquema de corrupção da história do país, sofrerá um profundo baque e seu futuro estará comprometido.

A situação pode se agravar ainda mais, se outro projeto, idealizado pelo Presidente do Senado, Renan Calheiros, também for aprovado. Trata-se de uma lei para supostamente coibir o abuso de autoridade, mas que não passa de mais um mecanismo para proteger os investigados pela Lava Jato. A proposta limita sensivelmente os instrumentos de atuação das forças de investigação e determina punição aos agentes que por ventura venham a extrapolar esse limite. Reduz-se assim a capacidade investigativa e cria-se ainda mais privilégios aos investigados pela força-tarefa.

Estamos verdadeiramente diante de uma tentativa de golpe. As manobras, capitaneadas por Maia e Calheiros, e que tem apoio de políticos das mais diversas correntes ideológicas, tem como único objetivo proteger a própria classe, e para isso tenta subjugar a melhor coisa que já aconteceu nesse país. É fundamental que a sociedade se organize, se mobilize pelas redes sociais, vá às ruas e demonstre que não irá compactuar com esse tipo de atitude. Precisamos dar nosso recado e assim fazer a nossa parte para proteger aquilo que hoje é nosso maior patrimônio e nossa maior esperança: a Operação Lava Jato.

Café com Politik #6 - Anistia ao caixa dois e clausula de barreira

A Barbárie