O Café Politik surgiu do acirramento político ocorrido no Brasil em meados dos anos 10 do século XXI.

A eterna sina do país do futuro, que dá um passo pra frente, dois pro lado e um pra trás, nos motivou a criar um espaço para discussões políticas e econômicas sem o viés editorial imposto pelas grandes publicações.

Nossos redatores possuem backgrounds ideológicos distintos e estão totalmente livres para expor suas idéias, experiências e projeções astrais para o futuro da nação e do mundo.

Não temos a pretensão de convencer o leitor, mas de enriquecer o debate. 

Seja bem vindo e, como tudo na vida, aprecie com moderação!

O demagogo contumaz

O ex-presidente Lula participou hoje de um ato contra o impeachment de Dilma Rousseff em Fortaleza, Ceará. Até aí, nada demais. Penso que existem argumentos para que se questione, até o presente momento, a legalidade do processo de impeachment sem a configuração irrefutável de um crime de responsabilidade. Como típico populista, entretanto, a tática adotada por Lula não é a de apontar incongruências jurídicas de difíceis compreensão, mas sim a de utilizar o velho e batido argumento de que Dilma é atacada unicamente por...

Ser de origem trabalhadora? Não funciona, Dilma cresceu em família de classe média;

Ser nordestina? Hmmm...Dilma é mineira e passou boa parte de sua vida no Sul.

Preta, parda, índia? Não, não, não...

O que sobra? Sim, ela é mulher!

Destaco abaixo parte dos argumentos utilizados por Lula em sua fala:

Por que tanto ódio pela 1ª mulher presidente? Será que é ódio por que filho de pobre, negro, da periferia, passou a fazer faculdade, por que todos os trabalhadores organizados tiveram aumento de salário? Será que é por causa do Fies, do Pronatec, das escolas técnicas, do Minha Casa Minha Vida, do Bolsa Família? Eles precisam explicar porque tanto ódio da primeira mulher que preside o país!

Assim como em recente seu discurso televisivo, Lula utiliza argumentos risíveis para defender uma presidente fracassada, que talvez não possua um dado econômico-social positivo sequer para apresentar após quase seis anos no poder. NENHUM dos benefícios citados pelo ex-presidente em seu discurso ocorreram por conta das políticas implantadas por Dilma. Pelo contrário, todas estas conquistas foram dificultadas durante o (des)governo da “presidenta”. O desemprego cresce, a renda diminui, PROUNI e FIES sofreram drástica redução e milhares de contratos de financiamento universitário estão sendo cancelados, tudo isto em função de uma depressão inédita na história recente do país ocasionada por uma política econômica incrivelmente errática e afobada.

Importante salientar que não sou um dos que defende a “crucificação” de Lula. Como dito anteriormente, acredito que todos os presidentes do Brasil pós-ditatura (e até a eleição de Dilma) tiveram seus erros e acertos. Lula soube aproveitar um cenário externo amplamente favorável e direcionou parte da "renda extra" para políticas sociais. Se o fez da forma mais eficaz possível ou quão disseminada foi a corrupção em seu governo, são outros quinhentos.

O ponto central é o seguinte: lamentável a insistência de Lula neste tipo de explanação simplista e, por que não, mentirosa. Isto não contribui em nada para o já acirrado clima político do país. Se portando desta maneira, o ex-presidente muito se assemelha à oposicionistas como Bolsonaro e Feliciano, conhecidos pela linha argumentativa tosca que utilizam.

Será que basta ser honesto?

O impacto da saída do PMDB