O Café Politik surgiu do acirramento político ocorrido no Brasil em meados dos anos 10 do século XXI.

A eterna sina do país do futuro, que dá um passo pra frente, dois pro lado e um pra trás, nos motivou a criar um espaço para discussões políticas e econômicas sem o viés editorial imposto pelas grandes publicações.

Nossos redatores possuem backgrounds ideológicos distintos e estão totalmente livres para expor suas idéias, experiências e projeções astrais para o futuro da nação e do mundo.

Não temos a pretensão de convencer o leitor, mas de enriquecer o debate. 

Seja bem vindo e, como tudo na vida, aprecie com moderação!

Incertezas políticas no Velho Mundo

2,w=993,q=high,c=0.bild.jpg

Não é só no Brasil que as incertezas políticas ameaçam diariamente a recuperação da economia, a geração de empregos e a busca pelo crescimento sustentável.

Na maior economia da Europa, pouco mais de dois meses depois das Eleições gerais, a atual mandatária Angela Merkel falhou em suas tentativas de buscar um governo de coalização com os Liberais (FDP) e com o Partido Verde (Grüne). Tendo em vista a impossibilidade de se chegar a um acordo em temas importantes como economia e educação, Christian Lindner, chefe do partido liberal, anunciou ontem oficialmente a saída da mesa de discussões e o posicionamento de sua sigla no campo da oposição.

Como consequência prática, temos que a União Democrática-Cristã de Merkel e o partido irmão bávaro CSU, tendo obtido pouco mais de 30% dos votos no Bundestag, não possuem outra opção senão suplicar ao antigo aliado SPD (Partido da Social-Democracia) para a formação de uma coalizão que atinja o patamar de 50% parlamento. As outras opções seriam a constituição de um Governo de minoria ou a realização de novas eleições, o que traz incertezas para todos.

Isto tudo ocorre em um momento extremamente positivo para a Alemanha, que acabou de atingir o topo do Ranking de países Anholt-GfK Nation Brands Index.

Na seara econômica o cenário também é excelente, com uma previsão crescimento de mais de 2% para 2017 e para os próximos anos, parque industrial mais competitivo do mundo, vocação exportadora, pleno emprego, recordes de arrecadação e um dos menores índices de endividamento do Ocidente. Não obstante o atual período de bonança, as incertezas no campo político podem prejudicar a economia, aumentando ainda mais o apelo do partido antieuropeu e anti-imigração AfD, que atingiu 12,6% dos votos nas eleições de setembro.

Considerando a importância da economia alemã, quarta maior do mundo, os reflexos desta instabilidade podem ser sentidos não apenas no seu entorno, mas também em países em desenvolvimento como China, Índia e Brasil.

Reforma Trabalhista e Reforma da Previdência

O oportunismo por trás do julgamento de William Waack