O Café Politik surgiu do acirramento político ocorrido no Brasil em meados dos anos 10 do século XXI.

A eterna sina do país do futuro, que dá um passo pra frente, dois pro lado e um pra trás, nos motivou a criar um espaço para discussões políticas e econômicas sem o viés editorial imposto pelas grandes publicações.

Nossos redatores possuem backgrounds ideológicos distintos e estão totalmente livres para expor suas idéias, experiências e projeções astrais para o futuro da nação e do mundo.

Não temos a pretensão de convencer o leitor, mas de enriquecer o debate. 

Seja bem vindo e, como tudo na vida, aprecie com moderação!

Diário Oficial publica dezenas de milhões de reais em subsídios para projetos culturais

Para aqueles que acreditam que é necessário um Ministério próprio para a cultura, sob pena de que projetos artísticos dos mais variados não mais tenham acesso ao financiamento estatal, o Diário Oficial publicado em 18/05/2016 é uma prova em contrário.

Acesse qui e veja você mesmo!

A partir da página 13 da seção 01, foram emitidas dezenas de milhões de reais em subvenções para iniciativas culturais em todo o país. Desta maneira, continuamos a defender que a unificação do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação é medida apropriada e que não afetará a capacidade do país em produzir filmes, livros e peças teatrais.

A realidade é que a extinção e aglutinação de ministérios é um pequeno passo no sentido de reduzir a máquina pública federal. Isto tudo faz, ou deveria fazer parte, de uma grande reestruturação que diminua o grau de centralização de dinheiro e poder em Brasília.

Atualmente, como já apontado em artigo anterior, 60% dos recursos do país são canalizados para o Governo Federal, sendo que 23% ficam com os Estados e apenas 17% com os mais de cinco mil municípios. Isto é uma aberração.

Somente o enxugamento da estrutura pública em um plano federal permitirá a instituição de um novo pacto federativo que repriorize a repartição de recursos entre União, Estados e Municípios.

No meu entender, Brasília deve ficar responsável por questões centrais como Saúde, Educação, Defesa, Relações Exteriores e mais uma ou outra pasta. O restante deve ser responsabilidade dos Estados e Municípios, que com recursos suficientes saberão direcionar com mais propriedade os investimentos de acordo com as características e necessidades locais.

A agonia venezuelana

O Petismo e sua luta contra moinhos de vento